sábado, 12 de fevereiro de 2011

Anderson Silva e sua carreira no MMA

Anderson estreou no Mecca, em sua primeira luta, foi derrotado pelo também brasileiro Luiz Azeredo por decisão dividida dos juízes. [6] Após essa luta, conseguiu nove vitórias seguidas, sendo seis delas por (T)KO. Nessa série de vitórias, ele venceu Hayato Sakurai, luta em que obteve o título de campeão peso médio do Shooto.

Pride e Cage Rage

Em 2002, Silva passou a lutar no PRIDE. Em sua primeira luta venceu Alex Steibling. Anderson venceu também, o então campeão dos pesos meio-médios, o canadense Carlos Newton. Silva ganhou com uma joelhada depois de Newton tentar golpeá-lo.
No Pride 26, Silva enfrentou Daiju Takase, que considerando seu cartel até então de quatro vitórias e sete derrotas, credenciava a Anderson o favoritismo. Porém, o japonês conseguiu uma queda logo no início na luta, e conseguiu manter no chão até finalizar o brasileiro com um triângulo.

Após a derrota para Takase, Anderson Silva lutou em outros eventos. No Conquista Fight 1, venceu o brasileiro Waldir dos Anjos por nocaute técnico. Em 2004, lutou no Gladiator FC: Dia 2 enfrentou o lutador Jeremy Horn, na qual obteve uma vitória por decisão. Três meses depois, Silva fez sua estreia no Cage Rage na Inglaterra. No Cage Rage 8 Anderson lutou e derrotou Lee Murray por decisão.

Naquele mesmo ano, Silva retornou ao Pride para enfrentar Ryo Chonan. O japonês conseguiu finalizar Anderson Silva no terceiro assalto após sofrer vários golpes durante a luta.
Após a derrota, Anderson continuou a lutar no Cage Rage, e em outros eventos. Depois de defender com sucesso duas vezes seu título no Cage Rage, Anderson Silva lutou no Rumble on the Rock 8 contra Yushin Okami na primeira fase do torneio dos médios. Nesta luta chutou o rosto de Okami em posição de guarda, que pelas regras do evento era proibido. O japonês poderia voltar a luta, mas prefiriu não continuar, o que resultou na desqualificação de Anderson Silva.

Carreira no UFC

No ano de 2006, Silva passou a combater no Ultimate Fighting Championship no evento Ultimate Fight Night 5, com vitória sobre Chris Leben. No dia 14 de outubro de 2006, no UFC 64, Anderson Silva teve a oportunidade de disputar o cinturão da categoria de pesos médios no UFC contra Rich Franklin, onde venceu no primeiro round de forma arrasadora.[8] Foi o segundo oponente que derrotou Franklin, depois de Lyoto Machida.

Defesas do Cinturão

Em 3 de fevereiro de 2007, UFC 67, estava programado para Anderson lutar contra o vencedor o reality show "The Ultimate Fighter 4" Travis Lutter. Contudo o adversário se apresentou acima do limite peso da categoria dos médios de 84 quilos, então a luta não era válida pelo título. Nessa luta Anderson Silva venceu o adversário faixa-preta de jiu-jítsu com um triângulo no segundo assalto.

Na luta seguinte, no UFC 73 em 7 de julho de 2007, Anderson Silva defendeu com sucesso seu título contra Nate Marquardt, vencendo por nocaute técnico em 4:50 do primeiro assalto. Três meses depois, no dia 20 de outubro de 2007 no UFC 77, Silva lutou uma revanche defesa do título contra o Rich Franklin, na cidade natal de Franklin em Cincinnati, Silva defendeu seu cinturão ao derrotar Franklin por TKO no segundo assalto.

Em 1 de março de 2008, no UFC 82, Silva lutou contra o campeão dos médios do Pride, Dan Henderson, em uma disputa de unificação de título (títulos do UFC e Pride). Anderson defendeu o seu título ao derrotar Henderson com um mata-leão no segundo assalto.[9]
Cerca de quatro meses depois, no UFC Fight Night: Silva vs Irvin em 19 de julho de 2008, Silva fez sua estreia nos meio-pesados (até 93 kg) contra James Irvin. Anderson venceu por nocaute em 1:01 do primeiro assalto.

Após a unificação dos títulos, em 25 de outubro de 2008 no UFC 90 em Chicago, Anderson Silva voltou a defender seu título dos médios, desta vez contra Patrick Côté. No terceiro assalto, Côté sentiu dores no joelho após desferir um chute. O árbitro Herb Dean declarou a luta encerrada pois Patrick Côté não poderia continuar a luta, e declarou vitória de Anderson Silva por TKO.

No UFC 97 Anderson Silva lutou e venceu Thales Leites por decisão unânime, defendendo seu cinturão e obtendo sua nona vitória consecutiva no UFC, recorde do evento. Thales Leites foi o único homem, até então, na história do UFC a lutar com Anderson Silva nos 5 assaltos até a decisão dos juízes. A multidão vaiou várias vezes o seu desempenho sem brilho, expressão entediada, e as tentativas frustradas de incitar o seu adversário na luta, e no 4º e 5º assalto, Anderson chegou a dançar, e baixar a guarda e golpeou o adversário, sem que houvesse retaliação.

No UFC 101, Silva mais uma vez lutou nos meio-pesados, desta vez contra o ex-campeão da categoria Forrest Griffin. Griffin foi derrubado por três vezes no primeiro assalto. Após o terceiro knockdown, Forrest sinalizou que ele estava acabado, e Silva foi declarado vencedor por nocaute.

Em Abu Dhabi, no UFC 112, Anderson ganhou do brasileiro Demian Maia por decisão unânime dos juízes. A luta foi criticada mundialmente, pelo desleixo de Anderson durante a luta, e pelo fato de não ter nocauteado o adversário, mesmo com uma superioridade absurda sobre o mesmo. O chefão do UFC, Dana White disse que se sentia envergonhado e decepcionado com a apresentação de Anderson, após casar essa luta em um dos maiores evento de UFC da história, economicamente falando e principalmente por ter sido o evento de estréia em Abu Dhabi, onde se esperava um show e não uma luta como aquela como main event.

No UFC 117, em uma luta difícil, após perder os quatro primeiros rounds contra o estadunidense Chael Sonnen, Anderson Silva partiu para o tudo-ou-nada no último round e acabou conseguindo uma vitória extraordinária em uma finalização com um triângulo. [16] Nesta luta Anderson afirmou ter lutado com a costela trincada, contra as recomendações de seu médico.

A próxima luta do Anderson seria uma revanche para Chael Sonnen, mas o mesmo foi pego no exame anti-dopping. Sendo assim, Silva defendeu e manteve o cinturão dos médios no UFC 126, que aconteceu no dia 6 de fevereiro de 2011, em Las Vegas, onde ele lutou contra o compatriota Vitor Belfort. A luta durou pouco menos de 3 minutos, com Belfort nocauteado por um forte chute frontal no rosto, disparado por Silva.


Anderson Silva - Destaques

2 comentários:

jo disse...

Anderson tenho vontade de treinar com vc e aprender todos esses golpes aplicados no momento certo sou seu fã quero lhe conheçer pessoalmente

silas disse...

sou seu fã cara, que o senhor Jesus Cristo sempre esteja com vc,e que vc continue assim vencedor pq vc batalhou muito p isso abração de um fã que torce p seu sucesso sempreee vc é campeãoooooooo andersonnnnn!!!!!